Heidegger, fenomenologia, hermenêutica, existência

Dasein descerra sua estrutura fundamental, ser-em-o-mundo, como uma clareira do AÍ, EM QUE coisas e outros comparecem, COM QUE são compreendidos, DE QUE são constituidos.

Página inicial > Léxico Alemão > McNeill (1999:11) – o extraordinário [Ungehere]

McNeill (1999:11) – o extraordinário [Ungehere]

quinta-feira 14 de dezembro de 2023

Tradução

[…] O saber como ter-visto é descrito como uma preservação da obra, um deixar-ser, uma capacidade de "deixar a obra ser uma obra"; significa tanto uma abertura para o ser como um não encobrimento, como assumir uma posição dentro daquilo a que Heidegger chama das Ungeheure   deste des-encobrimento, tal como ocorre na obra (GA5  , 54-55).

O que é das Ungeheure, o "extraordinário"? Voltaremos a encontrá-lo. A título de antecipação, podemos já suspeitar que anuncia uma abertura à alteridade, a uma alteridade talvez não pensada — ou imprevista — na tradição filosófica até à data. Em contraste com o afastamento das preocupações mundanas que veio a caraterizar a theoria   dos filósofos, "A Origem da Obra de Arte", que se ocupa principalmente da "grande" obra de arte, isto é, do papel da obra de arte para além da sua despromoção filosófico-política (tal como a encontramos na República de Platão  ), enfatiza a relação da obra com o mundo, o modo como a obra "abre" um mundo e uma visão do mundo, dando às coisas o seu "rosto" e aos seres humanos a sua "perspectiva" sobre si mesmos (GA5, 32).

Original

[…] Knowing as having-seen is described as a preservation of the work, a letting-be, an ability to "let the work be a work"; it means both an openness toward being as unconcealment, and assuming a stance within what Heidegger calls das Ungeheure of this unconcealment as it occurs in the work (H, 54-55).

What is das Ungeheure, the "extraordinary"? We shall meet it again. By way of anticipation, we may already suspect that it announces an opening onto otherness, onto an otherness perhaps unthought—or unforeseen—in the philosophical tradition   hitherto. In marked contrast to the withdrawal from worldly concerns that came to characterize the theoria of the philosophers, "The Origin of the Work of Art," which is concerned primarily with the "great" work of art, that is, with the role of the artwork beyond its philosophical-political demotion (such as we find in Plato’s Republic), emphasizes the work’s relation to world, the way in which the work "opens up" a world and a vision of the world, giving things their "face" and human beings their "outlook" upon themselves (H, 32).

[MCNEILL  , William. The Glance of the Eye. Heidegger, Aristotle  , and the Ends of Theory. New York: SUNY, 1999, p. 11]


Ver online : William McNeill